NA SEAGATE, FOCO É REVERTER REFLEXOS DE DESASTRES NA TAILÂNDIA

Resenha crítica sobre texto publicado no VALOR ECONÔMICO/BLOOMBERG BUSINESSWEEK (22/11/2011).

Autor: Burrows, Peter

Por Holbein Menezes

Descrevendo o cenário de caos no qual se transformaram as planícies do norte de Bangkok, onde se encontra instalada uma grande zona industrial do segmento microeletrônico, o autor constrói a questão central do texto, que é o problema enfrentado pela cadeia de suprimento na produção de discos rígidos para computadores e sistemas digitais.

Na verdade, os principais fabricantes de discos estão instalados nesta região da Tailândia, e, em conjunto são responsáveis pela produção de 40% deste componente para o mercado mundial. Com exceção das duas plantas da Seagate, todas as demais fábricas, incluindo aquelas exclusivas para produção de componentes, foram afetadas pela enxurrada que alagou toda região, e que as deixou submersas, criando uma ruptura na cadeia produtiva.

Embora a Seagate tenha tido a “sorte “de ver suas fabricas preservadas dos danos da enchente, eles não poderão cumprir os compromissos firmados, visto que os componentes para fabricação dos seus produtos não estarão disponíveis para fabricação. Segundo Stephen Luczo, executivo chefe da empresa, vai levar muito mais tempo para reverter os efeitos da diminuição da capacidade de produção do que analistas estão prevendo. Ele entende que somente no final de 2012 poderão ser atingidos os mesmos níveis de produção que havia antes da intempérie.

Como já está sendo percebido um desequilíbrio entre a capacidade de produção e a demanda, os preços dos discos rígidos estão subindo no mercado, e Luczo está oferecendo contratos de médio prazo com um aumento de 20%, embora reconheça que poderia cobrar o dobro deste índice. Esta tendência de aumento nos preços reverterá pela primeira vez à tendência de diminuição do custo de armazenamento de dados, que no início dos anos 80 era de 50 dólares por megabyte e hoje não passa de décimos de centavos.

Concluímos que os mesmos fatores que contribuíram para a diminuição dos custos de fabricação, onde o conceito de agrupar todos os atores da cadeia de valores numa mesma região para gozar de vantagens logísticas e dos benefícios fiscais, afetou o segmento quando um fator exógeno, imponderável e ligado a natureza, quebrou os elos desta uma cadeia intensiva em investimentos em tecnologia e com margens extremamente delgadas.

Sobre holbeinmenezes

GRADUADO EM ENGENHARIA OPERACIONAL, PÓS-GRADUADO EM ENGENHARIA ECONÔMICA, MBA EM GESTÃO PARA QUALIDADE TOTAL E MESTRANDO EM ADMINISTRAÇÃO
Esse post foi publicado em GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGISTICA. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s